Sol ou Chuva?

sábado, 30 de abril de 2011

Após a fuga do Sol

Habitualmente vamos ao mesmo restaurante, neste dia, salvo algumas exceções, ao longo destes 22 anos.
Em duas situações - se a memória não me trai - porque coincidia com o dia de descanso, fomos a outro local, e num caso os euros - ou será que ainda eram escudos? - não chegaram lá.
A novidade este ano foi o Ricardo.
Recém chegado dos pré-requisitos da FMH, fez-nos companhia.

Primeira sensação

Estávamos em mil novecentos e oitenta e nove.
No último domingo de Abril, eu e a Princesa juntámos os trapinhos e aterrámos em casa da Ângeloca, contra tudo e contra quase todos.
Vinte e dois anos depois e um Ricardo, continuamos a partilhar alegrias e tristezas num Mundo em convulsão.
Parabéns Princesa!

sexta-feira, 29 de abril de 2011

Após a fuga do Sol

Uma trovoada prometida, reforçada com granizo, chegou hoje a Lisboa e arredores.
Até a relva da Catedral ficou branca!
Estas coisas do tempo são mais do lado da Kakui.
Mas à entrada de dois dias de descanso, não me parece nada adequado esta queda de chuva congelada.
Ou será que era neve aos quadradinhos?

Ponto e vírgula

Como prometi de manhã, cá está A Máquina.
Sem muita conversa, porque o tema não precisa.

Rosa Sensual

Primeira sensação

Confesso que me apaixonei ao primeiro acorde.
Trata-se de um grupo novo, português, de nome Amor Electro.
Lançaram o primeiro album no dia 25 de Abril, cujo tema principal se chama A Máquina (Acordou).
A voz lindissima de Marisa Liz (ex-Donna Maria), um som refrescante, para uma letra original que deixo aqui, com a promessa de mais logo chegar o vídeo.

Saber o que fazer,
Com isto a acontecer,
Num caso como o meu.
Ter o meu amor,
Para dar e pra vender,
Mas sei que vou ficar,
Por ter o que eu não tenho,
Eu sei que vou ficar.
É de pedir aos céus,
A mim, a ti e a Deus,
Que eu quero ser feliz,
É de pedir aos céus.
Porque este amor é meu,
E cedo, vou saber
Que triste é viver,
Que sina, ai, que amor,
Já nem vou mais chorar,
Gritar, ligar, voltar,
A máquina parou,
Deixou de tocar.
Sentir e não mentir,
Amar e querer ficar,
Que pena é ver-te assim,
Já sem saberes de ti.
Rasguei o teu perdão,
Quis ser o que já fui,
Eu não vou mais fugir,
A viagem começou,
Porque este amor é meu
E cedo vou saber,
Que triste é viver,
Que sina, ai, que amor.
Já nem vou mais chorar,
Gritar, ligar, voltar,
A máquina parou.
Deixou de tocar,
É de pedir aos céus,
A mim, a ti e a Deus,
Que eu quero é ser feliz,
É de pedir aos céus.
Porque este amor é teu,
E eu já só vou amar,
Que bom não acabou,
A máquina acordou.


O tema de abertura dos meus dias de trabalho.

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Após a fuga do Sol

Estádio da Luz perto da enchente, num jogo muito intenso, que deixou a eliminatória em aberto para resolver na Pedreira.
O Benfica ainda não perdeu nesta Liga Europa, pelo que acredito que Dublin pode ser já ali.
Jogou sempre em casa na 1ª mão, sendo este o seu terceiro 2-1.
Uma coisa é certa. A final vai ser portuguesa.
De um lado a equipa dos batoteiros.
Do outro Benfica ou Braga.

A boina de Saragoça

Depois de uns dias de descanso na bela aldeia do Rosmaninhal, na companhia de amigos, regresso à rotina da cidade.
A aldeia do Rosmaninhal pertence ao concelho de Idanha-a-Nova, distrito de Castelo Branco.
É uma bela aldeia, muito verde e rodeada do Parque Natural do Tejo Internacional. Sem dúvida, um destino que ficará na minha memória.
Apenas lhe encontro um contra, pois é longe de tudo, ficando a sensivelmente uma hora de Castelo Branco, através daquelas estradas que eu adoro, cheia de curvas. O que vale é a paisagem que faz esquecer as curvas e contra-curvas.
Vim de lá a pensar que seria um bom local para viver, não a aldeia em sim, mas talvez Idanha-a-Nova, meio caminho entre a cidade e o campo.
Deixo aqui esta sugestão e umas fotos para comprovar a beleza do Rosmaninhal
Até para a semana.

Cláudia Paulino

Primeira sensação

Hoje temos futebol na Catedral, onde vou estar com o Ricardo.
Mas antes de lá chegarmos, regresso ao jogo de ontem para corrigir uma omissão.
O jogo foi mau, mas Messi é, sem margem para dúvida, o melhor jogador do Mundo.
Sobre o Benfica – Braga, claro que espero que o Glorioso vença e até pode ser como foi na Liga.
Um a zero com um grande golo de Carlos Martins.

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Após a fuga do Sol

Em final de dia - com a garganta ainda a pedir melhoria - todos os olhos estavam no Real - Barça.
Não foi um bom jogo, como não vai ser a segunda-mão.
Não sei qual vai estar na final, mas o Manchester United, em minha opinião, joga melhor futebol, sem teatros, nem mergulhadores.
Um jogo deste, em qualquer prova, nunca aconteceria em Inglaterra.
Mais um motivo para gostar cada vez mais do futebol britânico.

Primeira sensação

Talvez porque hoje li o jornal mais rápido do que é habitual, dei melhor pela sua presença.
Está ali, bem por perto do acampamento.
Segue-me ao lado do comboio durante quase toda a viagem,
Em alguns pontos está tão perto que quase lhe consigo tocar.
Só à entrada da Lisboa, quando a linha deriva para o interior da cidade, ele deixa de me fazer companhia.
O meu lindo Rio Tejo!

terça-feira, 26 de abril de 2011

Após a fuga do Sol

Foi um dia marcado por uma doença de pele no XO
É verdade!
Sem percebermos o motivo, apenas uma certeza.
Teve mão humana.
Depois a família dividiu-se em três.
Em fiquei no acampamento - procurando recuperar de uma dor na garganta - o Ricardo foi para o treino, enquanto que a Princesa foi confortar uma colega na despedida do pai.
A anormalidade normal da vida!

Rosa Sensual

Primeira sensação

O que escrever nestes dias assim?
Lugares comuns, claro!
Que custa mais do que uma segunda.
Que depois de quatro dias de descanso, sabia bem era mais um.
Que não é justo.
Mas tem que ser!

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Após a fuga do Sol

E pronto!
Está a chegar ao fim este fim de semana duplicado.
Foi como eu gosto.
Calmo, sem grandes acelerações, quase sempre em torno do acampamento.
Cada vez me sabe melhor estar no meu canto, junto do puto e da Princesa!

Ponto e vírgula

Está é uma data de que eu gosto!
Tinha 14 anos quando surgiu a Revolução dos Cravos.
Tenho poucas memórias anteriores a esta data, mas recordo-me de o meu Pai ir a Caxias ver um cunhado que estava preso pela PIDE, porque ajudava pessoas a ir para França tentar arranjar trabalho.
Há pouco, enquanto fazia um zapping, ouvi um jovem com 19 anos a pedir o regresso aos tempos de Salazar.
Fico apreensivo, revoltado.
Mas compreendo.
Com esta corja de políticos incompetentes e trafulhas, saem facilmente estes desabafos.
Mas não se esqueçam, principalmente os mais jovens.
Só há Gerações à Rasca porque há liberdade de expressão.
Uma das maiores conquistas de Abril!

Primeira sensação

Neste último dia de descanso prolongado, vou levar os meus afilhado do Pico e a Isabel ao aeroporto, agora que terminaram as férias cá fora.
Depois vou bater nas cachopas amarelas com o Ricardo, aproveitando o excelente dia que está.
Mas vai ser sol de pouca dura - como diz o ditado - pois a partir de quarta chega de novo a chuva.
Que aborrecimento!

domingo, 24 de abril de 2011

Após a fuga do Sol

Como é habitual na época pascal, disputa-se na Suiça o torneio de Montreux, prova de hóquei em patins importante no calendário internacional.
Nem sempre temos possibilidade de vermos hóquei na televisão, mas desta vez a TVI transmitiu todos os jogos da seleção nacional.
Muito bem!
O pior são os jornalistas desta televisão.
Já nem falo na forma de prenunciar os nomes, pois muito pior do que isso é que tenho a sensação que foi a primeira vez que viram um jogo de hóquei.
Era importante que as televisões não se preocupassem só em adquirirem os direitos, mas tentassem arranjar alguém que soubesse o que está a dizer, de forma a promover, de forma séria, a modalidade.
No final, valeu a vitória de Portugal, merecida, para fazer esquecer as asneiras proferidas ao longo destes cinco dias!

Após a fuga do Sol

Depois de ontem me ter deitado já bem tarde - depois de uma busca bem sucedida na net - hoje foi levantar para irmos almoçar.
Em casa dos sogros, cumpre-se a tradição gastronómica alentejana deste dia: o ensopado de borrego e um primo dele assado no forno.
Tudo isto acompanhado por um grande dia de Sol.
Que regressou em força!

sábado, 23 de abril de 2011

Após a fuga do Sol

Para os que talvez não saibam, fui, com muito orgulho, atleta do Alhandra Sporting Club durante 13 anos consecutivos.
Hoje fiquei muito contente em ver na TV que a equipa de triatlo do clube alhandrense, tanto a feminina como a masculina, dão cartas a nível nacional.
Força grande Alhandra!

O meu Glorioso também conquistou a Taça da Liga, pela terceira vez consecutiva, batendo o Paços do meu Amigo Rui Vitória.
Uma vitória que ainda foi mais saborosa arbitrada por Pedro Proença, que tudo fez para que o Benfica perdesse, como é habitual.
Mas não conseguiu.
Carrega Benfica!

Primeira sensação

Sempre ouvi dizer que os carros são como as mulheres. Só nos gastam o dinheiro!
Não é o caso da minha Princesa, mas o Chico e o XO não se andam a portar muito bem.
Hoje levantei-me cedo para resolver um problema no mais pequeno, cujo mija-mija está avariado.
Mas como não haviam as peças ficou para terça-feira.
Consequência de um fim de semana alargado.

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Após a fuga do Sol

Primeiro dia das mini-férias passados de forma bem tranquila.
Como o Ricardo já terminou o puzzle das Latas sobre Latas, já começamos outro.
Depois das latas de refrigerantes, chegou o Túnel das Cervejas.
Mil e quinhentas peças de boa disposição.

Rosa Sensual

Primeira sensação

Depois de uma noite partida ao meio, a alvorada foi tardia.
Duas notícias a acordar, uma boa e outra péssima.
A Cláudia e o Marquito chegaram bem ao seu destino, enquanto o Pai do meu amigo Ferreira partiu para sempre.
Agora vou fazer o almoço que se faz tarde.

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Após a fuga do Sol

Acho que só faltava isto!
A caminhar para os cinco anos de vida, o Tio Jorge nunca tinha ido para a rotativa tão tarde.
Hoje (n.r. ontem) foi o - já tradicional - almoço de Páscoa do Gang da Mealhada, nesta data e noutras, sempre reforçado por mais dois.
Claro que no meio de muita conversa, perdemos um bocadinho a noção do tempo.
Este ano terminámos a nossa reunião na praça do Rossio - com um Sol lindo e centenas de pessoas a aproveitar, na maioria
estrangeiros - a beber ginginhas, com elas e sem elas, mas eu foi mais Sagres.
Mais jola menos jola, o Morfeu atacou no sofá pouco depois da chegada ao acampamento.
Vá lá saber-se porquê!
Mas isto não podia ficar assim!
E às 4 da matina (n.r. de amanhã) chegou o post de ontem.
Isto não está fácil.
Mas fiquem a saber que a culpa não é vossa.

A boina de Saragoça

Existem alturas na vida em que temos que parar e fazer um ponto de situação de tudo o que aconteceu até agora.
Perceber o que foi bom e o que foi menos bom, os erros que se cometeram e o que se podia ter feito para evitar certos problemas ou inconvenientes.
Considero-me uma pessoa sensata, muito na minha onda sem conflitos.
Por vezes nem sempre é fácil.
Aproveitar estes dias de descanso para colocar a mente em ordem, estabelecer prioridades e ver o que realmente é importante e aquelas pequenas coisas com que não devemos perder tempo, isto claro, com o meu Marquito como marinheiro do nosso barco de recreio.
Já que estou numa de confissões, aproveito este texto para deixar um grande beijo de parabéns ao meu padrinho que faz anos amanhã
É um grande amigo e um padrinho à maneira.
Uma Feliz e Santa Páscoa para todos e não se esqueçam de comer as melhores amêndoas do mercado e arredores, que são as Amêndoas Cláudias, pois claro!
Até para a semana.

Cláudia Paulino

Primeira sensação

Na ressaca do desastre de ontem – alguém se lembra da última vez que os batoteiros não ganharam por serem prejudicados pela arbitragem? – recordei-me de um assunto que ouvi e li ontem.
A tolerância de ponto dos funcionários públicos.
Indignação, incompreensão e outras coisas acabadas em ão, davam voz à revolta. O País em crise e essa rapaziada só trabalha meio-dia, quando ainda por cima na segunda é feriado!
Pois é!
Mas os funcionários públicos e afins são os que pagam para a crise, enquanto que todos os outros – que devem ser portugueses de 1ª - riem-se e assobiam para o lado.
Queremos funcionários do Estado?
Sim, mas só para pagar os desvarios de governações incompetentes!

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Após a fuga do Sol

Claro que estou triste!
Custa-me sempre perder, mas contra os batoteiros, ainda me dói mais.
Podia falar do árbitro, fazer uma conferência de imprensa, gritar por justiça, mas não adianta.
Perdemos.
Agora temos que ser muito maiores que eles, expulsar todos os pseudo-adeptos benfiquistas que continuam a fazer o mesmo que criticamos aos andrades.
Podemos perder dentro do campo, mas do lado de fora temos que fazer a diferença.
Com educação!

Para compensar, a melhor equipa do Mundo - e arredores - perdeu a final da Taça do Rei, com um golo de Ronaldo.
Bem feito!

Primeira sensação

Hoje acordei com aquela sensação de que me faltava qualquer coisa.
Eu explico.
Quando adormeci o Ricardo ainda não tinha chegado do treino, ele que agora já faz o trajeto sozinho.
Por isso quando me levantei senti que me faltavam aqueles dois beijinhos que trocamos antes do sono chegar.
Para compensar dei-lhe quatro à saída.

terça-feira, 19 de abril de 2011

Após a fuga do Sol

Temos sempre conservado esta característica!
Horas e horas de conversa, sempre bem agradável.
Por vezes recuperamos assuntos passados, nem sempre boas recordações, mas não deixamos de falar neles, para evitar situações futuras.
Somos defensores do diálogo, sem dúvida o alicerce de uma grande relação.
A do Tio Jorge e da Princesa!

Rosa Sensual

Primeira sensação

Ontem no final do dia - enquanto tentava perceber como consigo andar com o joelho direito nestas condições – vi o Nacional – Braga.
O jogo terminou empatado a um, numa partida jogada a bom ritmo e com uma excelente arbitragem de Olegário Benquerença, ao estilo inglês, apitando pouco mas quase sempre bem.
Ora aqui é que está o problema.
Se o homem é competente – como ontem e na Europa tem mostrado – porque é que quando apita o Gloriosio não tem o mesmo comportamento?
Acredito que ele vai ser o árbitro do Benfica – FC Porto de amanhã.
Espero que no final do jogo todos possamos dizer que foi o melhor em campo.

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Após a fuga do Sol

E conforme prometido cá estão elas.
A chuva e a trovoada!
Más notícias, mesmo quando anunciadas.
Também as do meu joelho direito não são as melhores.
Com a ressonância na mão, o relatório, apesar de escrito de forma a que o comum dos mortais não perceba, deu para perceber que o ligamento cruzado anterior está na sucata.
Mais dia menos dia temos obras à porta.

Primeira sensação

Há muito tempo que me ando a esforçar.
Eu saio de casa e penso para mim: “Vá lá Jorge, não penses assim. A segunda-feira é um dia igual aos outros”.
Mas não é.
Parece maior.
O tempo está sempre mau, mesmo quando está Sol.
Mas existem algumas exceções, como para a semana.
Porque é feriado!

domingo, 17 de abril de 2011

Após a fuga do Sol

Já há alguns anos que não ia com crianças ao futebol.
É uma experiência muito interessante.
Recordo-me da primeira vez que o Ricardo foi ao Estádio da Luz.
O Benfica defrontava a Académica e o puto passou quase todo o jogo em pé em cima da cadeira, tão pequeno era.
Já na 2ª parte, após uma falta de um estudante gritou uma frase que deixou a rir todos à sua volta: "Isso é cartão vermelho".
Uma das melhores coisas do futebol e da vida.
As crianças!

Primeira sensação

Hoje tivemos F1 na China, mas não vimos tudo, pois a prova começou às oito e a sessão das cachopas amarelas é às nove horas.
Duas semanas seguidas é quase record, mas a verdade é que hoje temos muito sol.
E logo à tarde vamos à Catedral, com a equipa reforçada com o Pedro e a Catarina.

sábado, 16 de abril de 2011

Após a fuga do Sol

Dia cheio este!
Sempre ouvi dizer que muitas crianças enchem uma casa.
O acampamento ficou lotado neste final de dia de hoje.
Os meus afilhados açoreanos - Pedro, Catarina e Francisca - animaram com a sua boa disposição esta sábado.
Quando tenho o privilégio de estar com eles, sinto ainda mais saudades da linda ilha do Pico.
E amanhã há mais!

Primeira sensação

Continuamos com esta temperatura de verão, mas aproveitem, pois a semana que se aproxima - a da Páscoa - vai trazer chuva.
Acho que vou desculpá-la, dado que se trata de apenas 3 dias e meio de trabalho, com um feriado na segunda, dia em que, segundos as previsões, vai regressar um Sol bem grande.
Vamos lá então gozar bem este sábado!

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Após a fuga do Sol

Este final de dia acaba por ser de descompressão.
Depois de cinco dias sempre intensos, sabe bem perceber que chegam dois bem mais tranquilos.
Não significa que sejam de perfeito relax, mas são, sem dúvida, de oposição à semana de trabalho.
Por isso é que o weekend é diferente.

Rosa Sensual

Primeira sensação

Ontem chegou ao fim mais um livro.
Foi o primeiro que li de Ken Follett, este Noite Sobre as Águas, que me deixou com vontade de ir em busca de outros títulos deste galês de 61 anos.
Agora parto para mais um Saramago.
Ensaio sobre a Cegueira, é o senhor que se segue.

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Após a fuga do Sol

Vai ser sempre uma data importante para o futebol português.
Três equipas nacionais nas meias-finalis da Liga Europa - como aliás eu já tinha previsto há oito dias - garantindo, pelo menos, uma equipa na final.
Claro que eu desejo que seja o Glorioso.
Como não sou hipócrita, espero que a 18 de Maio, em Dublin, tenhamos uma cimeira luso-espanhola.
Carrega Benfica!

A boina de Saragoça

Hoje durante uma aula com as minhas meninas de Acção Educativa, e onde o tema era formas de comunicar, surgiu um exercício interessante.
O objectivo era utilizar a mesma palavra numa frase, mas dando-lhe um significado diferente.
A frase vencedora foi a da Tatiana que era a seguinte: “Porque é que a cómoda se chama cómoda e a cama se chama cama, se a cama é mais cómoda que a cómoda!”
Achei muito interessante e as meninas adoraram o exercício.
É difícil conseguir cativar a atenção dos mais novos, pois é preciso ter imaginação.
Penso que consegui superar mais uma prova de fogo.
Agora vou colocar a leitura em dia e depois vou descansar as perninhas, dado que a aula de Cycling foi muito durinha.
Até para a semana.

Cláudia Paulino

Primeira sensação

Se eu já tinha muitas dúvidas sobre a imparcialidade da Porto Canal, ontem confirmei os meus receios, na transmissão da Oliveirense – Benfica em hóquei em patins.
Um lance entre Tó Neves – que mostrou ontem a sua pior faceta, a de mal educado – e Tuco acaba com o treinador-jogador no chão.
De imediato, Vítor Bruno, o isento comentador azul-e-branco, exclamou: “Tenho a certeza absoluta de que houve agressão”.
Que aborrecimento!
Depois de várias repetições e de ângulos diferentes, verificou-se que houve um enorme teatro do Tó Neves.
Pena que as imagens da agressão do Pedro Gil ao Ricardo Pereira, no recente FC Porto – Benfica, tivessem ficados esquecidas na desonestidade profissional do realizador.
Porque repetições são possíveis na Porto Canal… quando interessa!

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Após a fuga do Sol

Dois temas que tem dominado as últimas dezenas de horas do acampamento.
O Chico regressou ao lar, satisfeito, claro, completamente disponível para ir com a Princesa até à Portela buscar os açoreanos que regressam de Paris, dando um pequeno descanso ao Tio Jorge.
O outro tem a ver com os puzzles.
Terminadas de acondicionar as 1000 peças da Tower Bridge - prenda de Natal da Kakui para o puto - chegou um desafio com o dobro dos intervenientes.
Chama-se Lata sobre Lata, com um metro e quarenta de altura e uma curiosidade.
Não tem bebidas alcoólicas.
Essas ficam para depois!

Primeira sensação

É preciso uma paciência de santo!
Vinte minutos para fazer uma coisa que deveria demorar… segundos.
Esta plataforma é mesmo uma forma de testar a nossa capacidade de sofrimento.
Será que alguém consegue dar uma mãozinha?

terça-feira, 12 de abril de 2011

Após a fuga do Sol

E o Chico lá ficou mais uma noite!
Esta semana não está a ser fácil.
Os hábitos andam alterados, mas apesar do cansaço, eu gosto, porque andar a pé é giro.
No dia das fotografias aos joelhos, mais de hora e meia em sapatos, agravados pelo calor, mais intenso que na maioria dos dias de Verão.
Agora espero que o Chico regresse amanhã ao acampamento.
Só porque dá jeito!

Rosa Sensual